(Este blog é o tema do próximo “Polit Talk” a 5 de Junho, 11 horas CET, ver também “Polit Talk” neste site)

(Este artigo é uma tradução automática. Se tiver sugestões para correcções, elas são muito bem-vindas.)

1. Estupidezes perigosas 

É verdade: se um Estado atacar outro Estado numa guerra da qual você é cidadão, você torna-se um objecto inimigo do Estado atacante. Tal como na Ucrânia, cada ucraniano torna-se um objecto inimigo do Estado atacante, a Rússia, e cada russo torna-se um inimigo da Ucrânia. Na guerra, o racismo político reina puro e simples.

No entanto, é estupidez, ao contrário, abraçar este racismo político e juntar-se à guerra do próprio Estado contra o Estado atacante. Porque é que isto acontece? Estritamente falando, embora pareça duro, isto não é estupidez porque se arrisca a própria vida ao tomar esta decisão e ao aderir à guerra do próprio Estado. Contra esta justificação de não seguir o próprio Estado numa guerra, pode-se objectar com razão que isto não protege de modo algum da violência bélica do outro Estado. Ou seja, os Estados em guerra com outros Estados não fazem qualquer distinção entre cidadãos do outro Estado que estão a combater, e dirigem a sua violência apenas contra os cidadãos do outro Estado que se juntam à guerra do seu próprio Estado. Como disse, o racismo político puro e simples, não só ideológico, mas também praticado.  De facto, a decisão de não se juntar à hostilidade de um próprio Estado em relação a outro não poupa em nada a hostilidade do outro Estado, ou seja, o perigo de ser morto numa guerra por outro Estado. A conclusão inversa, que, portanto, no interesse de se proteger dos perigos de uma guerra à vida e à integridade física por uma guerra de outro Estado contra o seu próprio Estado, se junta à guerra do seu próprio Estado, é no entanto uma estupidez, pela simples razão de que também não é verdade que se proteja assim a própria vida. Como podem ver, estritamente falando, devem ter feito algo de errado antes, se não querem uma guerra. Mais sobre isto mais tarde.

De facto, é precisamente esta mentira descarada que os Estados usam para persuadir os seus cidadãos a entrar nas suas guerras com outros Estados, que a sua resposta à guerra de outro Estado, entrando no seu próprio Estado nessa guerra, é proteger os cidadãos desse Estado contra a violência do outro Estado. A divulgação de imagens assustadoras de cidadãos do seu próprio Estado mortos pelo outro Estado em guerra destina-se a provar esta conclusão estúpida de que se deve seguir o próprio Estado na sua guerra por esta razão, porque protegeria um dos cidadãos dos ataques do outro Estado. Isto, como estas imagens provam, não só correu mal nestes casos. A própria prova é tão insana para se proteger dos perigos da guerra à vida e à integridade física, juntando-se a uma guerra do lado do próprio Estado, de todas as coisas; no entanto, os Estados em guerra usam esta prova insana para sugerir aos seus cidadãos, no seu medo, a falácia estúpida de se poderem proteger de tais perigos de guerra, juntando-se à guerra do seu Estado. 

E tais conclusões erróneas existem de facto, não só em casos excepcionais. De facto, bastantes cidadãos, especialmente em tempo de guerra, por medo das actividades bélicas do Estado inimigo, que de facto não ordenam as suas actividades bélicas de acordo com se os cidadãos de outro Estado seguem ou não a guerra do seu próprio Estado, cometem o erro tolo de acreditar que os protege da guerra do outro Estado se se lhe opõem com a guerra do seu próprio Estado. E é esta estupidez, que defender a guerra do próprio Estado protege os cidadãos deste Estado das actividades bélicas do outro Estado, em que se baseia toda a propaganda bélica: com a referência às vítimas bélicas amplamente ilustradas, que o outro Estado produz de facto continuamente com a sua guerra – afinal, é guerra – os cidadãos estão agitados para se lançarem no massacre pelo seu próprio Estado, porque isto os protege do massacre.  Os próprios Estados, contudo, sabem muito bem que conclusões tão estúpidas que se pode proteger a própria vida das acções bélicas de outro Estado juntando-se à guerra do próprio Estado não passam de conclusões estúpidas. Os Estados que fazem guerras, seja do lado do Estado atacante ou do lado do Estado que se defende, sabem muito bem que nas suas guerras os seus cidadãos arriscam as suas vidas, afinal, os cidadãos de ambos os lados da guerra são os que executam a violência bélica em nome dos políticos dos seus Estados, e a guerra consiste apenas em destruir os meios de violência do outro Estado, ou seja, os seus cidadãos. Pois apesar de todos os aperfeiçoamentos técnicos das armas, continuam a ser os cidadãos de ambos os lados que utilizam estas armas, que ambos os lados matam numa guerra a fim de ganhar uma guerra. 

Porque as guerras não protegem os cidadãos do Estado, como nos querem fazer crer com a sua propaganda de guerra, os Estados também não se baseiam na falsa conclusão de que um Estado protege os seus cidadãos numa guerra dos perigos para os cidadãos do Estado inimigo e torna as suas guerras dependentes destas ou de considerações semelhantes dos seus cidadãos, mas usam o seu monopólio sobre o uso da força para forçar os seus cidadãos a lutar as suas guerras como soldados. O que também deveria ser, para qualquer cidadão de qualquer lado dos Estados em guerra, razões razoáveis para actividades em que nada resta daqueles que as põem em prática. Como podem existir boas razões para objectivos cuja prossecução custa a vida daqueles que põem em prática a prossecução desses objectivos? Os Estados conhecem a loucura destes objectivos do ponto de vista dos cidadãos do Estado e, portanto, forçam-nos pela sua violência a executar tais objectivos em nome dos Estados – e, além das suas actividades elaboradas para a produção da sua capacidade técnica militar de guerra, utilizam todo o tipo de actividades elaboradas para a sua propaganda de guerra para a produção da vontade dos seus cidadãos de ir à guerra, de modo a adoptarem os objectivos de guerra do Estado, porque esta vontade de ir à guerra continua a ser a sua arma decisiva.

E quais são então esses objectivos de guerra que os cidadãos devem fazer seus, mas porque custam a vida são forçados a realizar esses objectivos pelos seus Estados através de guerras? Os objectivos que os cidadãos perseguem não podem ser tais se a prossecução destes objectivos consistir em entregar a própria existência. Para quê, na verdade? De que são realmente as guerras?  Por desafiar a soberania dos Estados sobre a terra e os povos, ou seja, a existência de Estados. A fim de desafiar a existência dos Estados, os cidadãos dos Estados são forçados a desistir da sua existência. E que justificação há para que os Estados, cuja preocupação deve ser sempre a vida e os interesses dos cidadãos, renunciem à existência de cidadãos para a existência de Estados, quando a sua missão deve ser a de defender a vida dos cidadãos?

Algo está fundamentalmente errado aqui se salvar a existência de Estados, cuja missão é supostamente cuidar da existência de cidadãos, sacrificar a existência de cidadãos para a preservação da sua existência, cuja missão é supostamente cuidar da existência de Estados. 

Em vez de se envolver numa guerra que não pode ser sobre os interesses dos cidadãos pela simples razão de que as guerras utilizam a morte dos cidadãos como meio para a sua execução bem sucedida, em vez de se envolver numa guerra com conclusões falsas do lado do próprio Estado, é melhor perguntar a si próprio o que é realmente uma guerra, quando certamente não se trata de uma coisa, da protecção dos cidadãos ou mesmo dos interesses dos cidadãos.

Para além disso: É de facto o caso, como já foi dito acima, que mesmo aqueles que não acreditam nesta falácia estúpida que defende a guerra de um próprio Estado contra outro protege um contra as actividades beligerantes do outro Estado hostil, e que, ao recusar-se a entrar na guerra, ficariam protegidos das actividades hostis. Os Estados, como sabemos, basicamente nunca fazem distinções entre os cidadãos do Estado em guerra, e certamente não em guerra. Para eles, os cidadãos são, independentemente do que pensam, recursos humanos para a guerra do outro Estado em guerra, e o método de persuasão, de usar a necessidade das pessoas para as convencer de que a sua servidão aos outros é a melhor coisa para si próprios, esta viagem, de uma espécie de argumentação que também é chamada de chantagem noutros lugares, é de qualquer modo este princípio básico da arte da persuasão do Estado, da chantagem com a necessidade que ela cria, e isto não só na guerra.   Por isso, mais uma vez, se não queres guerra, é melhor perguntares-te sobre o que é realmente a guerra, para saberes o que podes fazer para evitar que ela aconteça em primeiro lugar e para seres arrastado para guerras de uma forma ou de outra, não importa o que queiras. E, de facto, tudo o que é importante sobre o que são as guerras, sobre o que são e qual o papel que os cidadãos nelas desempenham já pode ser colhido do tratamento dos cidadãos do outro Estado como um recurso de poder do outro Estado – por outras palavras, também sobre o que se pode fazer para que não se entre na situação em primeiro lugar de que, independentemente do que se pensa sobre uma guerra, se é no entanto arrastado para uma guerra simplesmente por causa da própria cidadania. Mesmo que seja demasiado tarde neste caso – pelo menos para os cidadãos dos Estados envolvidos na guerra – quando a guerra está lá, saber isto pode pelo menos salvá-lo de outras grandes estupidezes.   

2. Que são realmente guerras e de que se trata?

Mesmo que todos saibam o que são as guerras graças a 200 anos de experiência com todas as guerras entre estados capitalistas em todo o mundo, e após 200 anos de tais guerras parece que nos habituámos à ideia de que as guerras pertencem simplesmente a estas sociedades capitalistas e ao seu mundo de estados e, de alguma forma, graças à louca iluminação da ciência, consideramo-las a coisa mais humana do mundo, no século XXI devemos perceber o que são as guerras. No século XXI, é preciso perceber o que os venerados líderes políticos dos Estados deste mundo fazem com os Estados, que louvaram universalmente a realização histórica da civilização, quando eles, graças ao seu monopólio de tomada de decisões e violência sobre as suas sociedades nacionais e graças à posição de liderança dos seus Estados no mundo dos Estados, causam estragos com as vidas da humanidade quando decidem fazer a guerra. 

Que tipo de disputa é esta e sobre o que são estes conflitos entre Estados, quando os Estados lutam guerras? Em primeiro lugar, de que se tratam estes conflitos bélicos? Será que os Estados em disputa têm ideias opostas sobre questões tão existencialmente importantes como a melhor forma de fornecer alimentos aos membros destas comunidades, ou como é que os Estados coordenam isto entre si? Discutem sobre que produtos as suas sociedades devem e não devem produzir?  Estão a discutir sobre quem recebe o quê? Discutem sobre que recursos naturais as suas economias deveriam utilizar para produzir que produtos? Discutem sobre como distribuir os produtos manufacturados entre as suas sociedades? Será que não conseguem chegar a acordo sobre como tornar o globo em ruínas habitável de novo? Será que têm conflitos sobre a forma como os membros das suas sociedades tomam as decisões políticas?  Nada do género, pode-se de facto discutir sobre isso, e de facto, não se iluda, tais tipos de disputas, graças ao seu tema racional, nem sempre podem ser decididas com o consentimento de todos, mas uma coisa também é certa: certamente não se decide tais conflitos sobre tais questões com a guerra. A guerra não tem nada a ver com tais questões. Sobre que é que os Estados discutem na guerra? 

As guerras não são disputas sobre quaisquer questões que afectem a vida dos cidadãos. As guerras são conflitos entre Estados e o objecto do conflito é o que os Estados são na sua essência, o que são por natureza, que é a sua soberania sobre a terra e os povos dentro dos limites da sua soberania, ou seja, dentro dos limites do seu monopólio sobre o uso da força. Na guerra, os Estados discutem se deve haver Estados, não se deve haver Estados; a erradicação de um Estado através da guerra apenas o substitui por outro Estado; nas guerras, os Estados são objecto deste tipo de violência e que Estados são elementares, o seu poder soberano sobre um pedaço de terra e, acima de tudo, as pessoas que aí vivem. As guerras decidem que Estado tem o monopólio da violência sobre a terra e as pessoas num território nacional, que tem – tautologicamente falando – o monopólio exclusivo da violência sobre esta parte da terra. E esta questão, quem tem o monopólio da violência, só pode realmente ser decidida por quem tem a violência mais poderosa, ou seja, quem tem o poder sobre o poder do outro, ou seja, quem desresponsabiliza o poder do outro. Decidir que Estado pode eliminar os meios de violência do outro com os seus meios de violência e tornar-se assim o monopolista da violência, ou seja, da guerra. E é este processo de tomada de decisão sobre quem tem os meios mais poderosos de violência, que retira a violência dos meios de violência do outro lado, é este tipo de processo de tomada de decisão que – como pode ser de outra forma quando se disputa o monopólio do uso da força – é levado a cabo como esta orgia de violência e destruição. 

As guerras são um acto de destruição muito arcaico e louco, em que toda a riqueza é impiedosamente destruída, que no entanto só é combatida pelos monopolistas políticos da violência nas sociedades civis modernas, em que estas máquinas de violência e os cidadãos de uniforme que as operam competem uns contra os outros, que possui a melhor maquinaria de destruição e que consegue destruir a maquinaria da violência, sobretudo matando o pessoal operacional do outro, ou seja, acima de tudo matando os cidadãos soldados do outro lado. A medida em que nestas guerras lutaram entre os Estados das sociedades civis através do monopólio do uso da força, que é mais potente, não são apenas os cidadãos soldados que são objecto de violência bélica, e não apenas como efeito secundário, é evidente pelos actos de guerra que são decisivos para a guerra ao bombardear a base do domínio de um Estado inimigo. A Segunda Guerra Mundial fornece amplos exemplos de como os Estados decidem guerras por si próprios, destruindo a base de poder decisiva dos Estados das sociedades civis ao bombardear os cidadãos.  As bombas atómicas são a mais excelente arma de guerra para a destruição dos cidadãos como o arsenal elementar do poder estatal das sociedades civis. Contudo, não só as armas utilizadas nas suas guerras e os seus objectivos traem os sujeitos de guerra como estados capitalistas com as suas sociedades civis subservientes como o sangue vital desses estados, esses monopolistas da violência sobre essas sociedades civis que disputam o seu monopólio da violência, mas também traem o programa político que esses estados aplicam com essas guerras. Os Estados democráticos são também aparatos puramente violentos. Se tais Estados utilizam o seu monopólio do uso da força para fazer cumprir os seus programas políticos no seio das sociedades que governam, de que outra forma, mas utilizando todos os meios de força à sua disposição, se então aplicarem os seus programas políticos face a outros Estados, a fortiori quando se trata da questão de qual o poder estatal que rege a terra e as pessoas num território nacional, do que com os meios de força especificamente desenvolvidos para tais casos, os seus militares.

Na guerra na Ucrânia, os Estados que são potências mundiais sobre o mundo dos Estados, os EUA com todos os seus Estados aliados na NATO, por um lado, e a Rússia, por outro, que está a usar a guerra para afirmar ser respeitada como potência mundial pelos primeiros, estão a medir o seu poder como potências mundiais nesta guerra, ou seja, Estados que governam o mundo dos Estados e as suas sociedades civis nacionais.

O que os Estados mobilizam em termos de conhecimentos técnicos, com os quais criam meios de poder, com os quais os meios de poder de outros Estados podem ser destruídos, já diz muito sobre o que os monopolistas da violência consideram significativo e impõem aos cidadãos como seu negócio: Nada tem mais valor para eles do que o seu monopólio sobre o uso da força, para o qual investem vastas somas de recursos económicos em conhecimentos técnicos e armas e destroem do outro lado, com os quais adquirem meios de força adequados para fazer valer o seu monopólio sobre o uso da força sobre terras e pessoas contra outros monopolistas da força, quando estes disputam o monopólio uns dos outros sobre o uso da força. 

E isto já diz tudo o que é importante sobre o programa político pelo qual os monopolistas da violência disputam o seu monopólio da violência, antes de mais nada os Estados que o utilizam para afirmar o seu poder mundial sobre o mundo dos Estados e sobre as suas relações internacionais. O mundo das sociedades civis e dos seus Estados, construído por estes Estados como a utilização dos seus povos estatais para a sua inimizade mútua na luta pela sua parte de uma riqueza, em que o vencedor é aquele que mais sucesso consegue forçar a produção desta riqueza dos cidadãos desta terra à custa do seu consumo, ou seja, através da sua pobreza, e acumulá-la com os ricos deste mundo, Este é o programa político pelo qual os Estados, com o seu monopólio no uso da força, estão a alistar os cidadãos do mundo e pelo qual as sociedades civis de todos os Estados estão a lutar entre si económica, política e militarmente para decidir quem pode ditar ao mundo dos Estados como podem participar nesta guerra permanente para a conquista e apropriação deste tipo de riqueza.  Tais questões, que são sobre que Estado tem que poder sobre o poder de outros Estados, tais questões só podem ser resolvidas com este tipo de violência bélica, ou seja, com esta medida bélica da violência entre Estados e em tais conflitos entre Estados que comandam o mundo dos Estados, é a destruição da terra e dos povos de outros Estados, o oposto de uma loucura arcaica, mas a destruição politicamente orientada dos meios de poder dos Estados que, graças aos seus meios de violência, não se submetem aos Estados comandantes ou que, como no caso da Rússia, querem conquistar um poder de comando global no mundo dos Estados. Nestas guerras pelo seu Estado, portanto, a morte de cidadãos pelo seu Estado não é uma contradição ao serviço ao cidadão reclamado por estes Estados, mas sim para os Estados uma realização da sua cidadania reverenciada como um acto heróico.  

3. Que pode ser feito?

Na guerra, portanto, os Estados expõem de forma bastante inequívoca o que realmente são, e não só na guerra, mas em geral. Antes de mais, nas suas guerras e na agitação cidadã que as acompanha, os Estados refutam a sua vida, afirmando que os Estados das sociedades civis são uma instituição política que só existe para os cidadãos. Que isto é exactamente o contrário, que o povo do Estado está lá para o Estado, pode ser visto não só no cinismo com que um Estado em guerra reivindica as preocupações dos seus cidadãos pela sua pura sobrevivência, que ninguém mais do que ele próprio lhes inflige com uma guerra, estas preocupações de sobrevivência dos cidadãos como o objectivo da sua guerra contra outro Estado, de todas as coisas, e que numa guerra em que que queima a existência dos seus cidadãos para assegurar a sua existência face a outros Estados e a celebra como heroísmo. Mas isto, que são as pessoas do Estado que são os servidores do Estado e não o contrário como os Estados e os seus claqueurs reunidos reivindicam, não pode ser inferido apenas deste cinismo com o qual a classe política, os funcionários dos Estados, equiparam a existência da violência política das sociedades civis com a existência de cidadãos em guerra, como se uma guerra não fosse a defesa do monopólio da violência de um Estado sobre a terra e as pessoas contra a apreensão por outro Estado do objecto do seu governo, mas como se os cidadãos e o seu governo político fossem a mesma coisa, precisamente como se os cidadãos perdessem a sua existência quando o governo político de um Estado era tomado por outro graças a uma guerra ganha. Certamente, para a classe política de um Estado, a existência de um monopólio sobre o uso da força, que eles executam, está de facto em jogo, embora esta classe política seja a muito flexível. Os políticos alemães nazis da Alemanha, derrotados pelos EUA, tornaram-se de um dia para o outro políticos úteis no novo projecto de guerra contra a União Soviética, aliados com os EUA na guerra contra a Alemanha.  Existe aí uma certa flexibilidade. E os cidadãos? O que muda na guerra se a Ucrânia obedecer aos políticos russos ou americanos, se a riqueza aí produzida enriquece oligarcas ou capitalistas e se essa riqueza é contabilizada em rublos ou dólares. Do ponto de vista dos cidadãos, permanece o mesmo em princípio.  O que se troca nas guerras, especialmente em tempos de um mundo que consiste basicamente nos mesmos Estados, é a atribuição de cidadãos a um Estado, a sua nacionalidade. É mais ou menos isso. Caso contrário, não há muitas mudanças. Em qualquer caso, o fim da existência de um Estado-nação não é o fim da existência dos seus cidadãos quando o governo político é assumido por outro Estado graças a uma guerra. Depois os cidadãos fazem praticamente o que fazem sempre, vão trabalhar, mandam os seus filhos para a escola e pagam os seus impostos. E é tudo, se acrescentarmos que no seu exercício cívico quadrienal eles podem escolher que pessoas gerem os assuntos do Estado, são então chamados de outra coisa. Em qualquer caso, a afirmação por parte de beligerantes afirma que ao atacar a existência de um Estado, a existência dos seus cidadãos está a ser atacada é uma mentira bastante transparente com a qual eles querem persuadir os seus cidadãos a entregarem a sua existência em defesa da existência do seu governo político e das elites políticas que apoiam esta regra. Pois sem o empenho dos cidadãos soldados, não só nenhuma espingarda dispara uma única bala contra os cidadãos de outro Estado, como uma guerra sem o empenho dos cidadãos não é possível com as armas mais fantásticas. Sem cidadãos, nada funciona nos Estados destas sociedades civis.

Mas este não é apenas o caso na guerra. Mais importante ainda, o desenvolvimento e expansão do poder estatal, incluindo a medição do poder dos Estados em guerras entre si, é em si apenas o resultado da utilização dos cidadãos dos Estados sob a orientação de funcionários políticos estatais. A medição do poder que os Estados usam nas guerras uns contra os outros pelo seu poder sobre os outros e que, graças à disponibilidade de meios de poder suficientes, lhes permite medir o poder em primeiro lugar, é a utilização dos cidadãos que lhes fornece os meios de poder para esta medição do poder. Os Estados obtêm estes meios de poder através dos esforços diários dos seus cidadãos, com os quais ganham o seu dinheiro e com os quais eles e mais ninguém produzem a riqueza a partir da qual os Estados se desviam da sua quota-parte para os seus meios de poder. O facto de que só por isso é permitido aos cidadãos preocuparem-se com a sua existência quotidiana de nenhuma outra forma a não ser entregando o seu trabalho para aumentar a riqueza daqueles que o têm em abundância, é por isso que são os Estados que tornam este tipo de simples segurança de subsistência dos cidadãos dependente do aumento da riqueza daqueles que o têm através do trabalho, é por isso que são os cidadãos que trabalham toda esta riqueza a partir da qual os Estados retiram a sua quota-parte para as suas actividades políticas, incluindo para os seus meios militares de força, isto é outra história. O que resta dizer aqui é que é o povo do Estado, através deste mecanismo económico de aquisição normal de dinheiro pelos cidadãos para a sua subsistência e a riqueza assim gerada, de onde os Estados derivam os seus meios de poder, com este mecanismo os Estados já utilizam o seu povo do Estado em tempo de paz para as suas lutas de poder com outros Estados, e não, como eles gostariam de fazer crer, vice-versa. Não está assim tão longe dos conflitos quotidianos entre Estados por quotas de mercado para as suas comunidades empresariais, da ruína das economias de outros Estados através de sanções económicas, à guerra entre Estados. São estes meios de poder, que os cidadãos trabalham para os seus Estados, que primeiro lhes permitem abrir questões de poder de todos os tipos a outros Estados e não apenas em guerras, ou seja, interferir nos assuntos da soberania de outros Estados, interferências de todos os tipos, Pelos quais os cidadãos não têm de pagar o preço nas guerras ao agravarem as suas condições de vida, que depois têm de pagar nas guerras com toda a sua existência em defesa da existência daquele que lhes impõe este modo de vida insano, regulado pelo Estado e orientado para o serviço dos seus interesses de poder. 

A partir disto, torna-se também suficientemente claro o que acontece nos tempos em que só as pessoas anseiam por quem os camponeses não querem perceber que são estes belos tempos de paz em que tudo é construído para a capacidade de guerra dos Estados pelas mesmas pessoas que são depois queimadas nas guerras pelos seus Estados. E isto deixa claro qual é a única coisa que pode ser feita para manter as guerras à distância, incluindo a imposição que se deve então, de todas as coisas, pôr em risco a própria vida nas guerras que são sempre devidas, para aqueles que instigam estas guerras e já estão bastante seguros nos mais belos tempos de paz que a sua missão política não pode gerir a longo prazo sem uma generosa dotação de meios militares de força.

Comments preferably in English.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *